Image Map

sábado, 14 de março de 2015

Cap 3 "The End²"


Capitulo Três

Ele se viu naquele portão, logo ele abriria e então Arthur entraria no mundo que tanto temia. Engoliu o seco imaginando se teria alguém apenas à espera do outro lado para o apedrejar até a morte. Já que foi um dos assassinos mais odiados daquele ano. E então um barulho alto soou, o grande portão foi abrindo aos poucos, e Arthur então avistou o vazio da rua. Ficou mais sossegado, olhou pra pequena mochila com coisas, entre elas a única coisa que ele não havia perdido... Sua casa. Mas sabia que não conseguiria ir até lá, não tão cedo. Saiu pelo portão sem olhar para trás. Não sabia o que fazer, pra que rumo seguir. Então começou apenas a seguir em frente, mas seu corpo gelou quando um carro preto parou ao seu lado, ao descer o vidro então veio a surpresa, alguém que ele nunca imaginaria.

- Vamos. – Ela disse e ele a encarou.
- Como?
- Vamos logo. Ou prefere dormir na rua?
- Isabella...
- Arthur... – Ela revirou os olhos. – Vai entrar? Por que a gasolina está cara, não dá pra ficar aqui parada.

 E então ele entrou no carro. Ele colocou o cinto e a olhou. Ela apenas dirigia, até parar em um sinal e o olhar.

- Da pra você parar de me encarar, eu estou ficando desconfortável. – Ela disse e ele olhou pra frente.
- O que você pensa que está fazendo?
- Estou fazendo o favor de te ajudar, então será que dá pra parar de me colocar medo antes que eu te empurre do carro.
- Se você tem medo de mim, por que me colocou aqui dentro?
- Você entrou com suas pernas, e na verdade eu estava orando mil pai nosso para você simplesmente seguir reto e não olhar na minha cara.
- Por que me ofereceu carona então?
- Arthur, pare com tantas perguntas. Pelo amor de Deus. – Ela o olhou. – Eu vou te deixar em um hotel.
- Se me aceitarem.
- Já faz 5 anos, ninguém mais lembra.
- Vai sair em todos os jornais.
- Relaxa. – Ele foi se movimentar. – Ei, nem tanto. Eu tenho uma arma aqui.
- Agora quem está com medo sou eu.
- Não sou eu a assassina aqui.
- Desculpa. – Isabella o olhou.
- Bem que a Srta. Guinevere disse que você estava bem educado.
- Você que...
- Sem perguntas eu já lhe disse.
- Mas eu preciso de algumas respostas. Você não pode simplesmente me tratar como um...
- Olha, se você quer saber o porquê de eu estar fazendo isso depois de você matar a minha melhor amiga, saiba que isso nem eu sei. Talvez por que eu seja idiota que nem ela era. Sem noção e maluca.
- Eu não mereço nada.
- Também acho.

...

- Amanhã você teria que conseguir um emprego. Como eu sei que ninguém gostaria de te contratar, conversei com um conhecido e ele vai te empregar. Por via das dúvidas... um emprego que não envolva pessoas. Vai trabalhar em um deposito, carregando e descarregando. Amanhã te passo certinho. Sim, amanhã eu venho te pegar, vamos comprar umas roupas pra você. E sem mais perguntas. Tchau.

 Ela saiu do quarto do hotel, Arthur estava estranhando o comportamento da menina. Ela era maluca? Será que essa era a vingança dela? O ajudar e depois o espancar até a morte? O escravizar? Só podia pensar o pior. Ele se sentou na cama. Aquilo lá era bem confortável. Depois de 5 anos dormindo em um colchonete fino, ele finalmente iria ter uma boa noite de sono. Ou quase. Ele pegou seu caderno e então abriu na segunda página.

Pagina 2

 “Depois de ter a desprezado, ela apareceu novamente no pequeno caminho até minha casa. Ela me estendeu algo mais eu simplesmente a ignorei. Quando entrei e fechei a porta fui até a janela, a observei indo embora. Por que ela insistia tanto? O que ela queria comigo? Olhei o papel em sua mão. Talvez eu devesse ter pego. Mas eu tinha trabalho a fazer. No dia seguinte me levantei já me preparando para o que tinha a seguir. Sr. Wesley, para todos, apenas um idoso que mora sozinho com seu dinheiro. O que ninguém sabia era que aquele dinheiro era sujo, que aquele velhote não passava de um sujo que usava as pessoas a seu favor. Traficava, e de repente parou, quando já estava com todo o dinheiro possível. Deixando para trás um mundo ruim, não se importando com aqueles que ele usou. Será que alguém um dia poderia imaginar aquele homem lucrando por cima de garotas de programa? Que ele as vendia para comprar tudo que ele achava que precisava? Não. Fui contratado por Clary Marquez, Me lembro bem, ela parecia uma pessoa normal, até me mostrar o que ele fazia com ela. Ele era um monstro, ele merecia aquilo. Foi rápido, logo ele estava caído em sua sala. Sai dali e fui para casa, eu ainda tinha uma vida fora daquilo. O que eu não sabia é que ela estaria lá, na minha janela enquanto eu conversava ao telefone, quando eu a vi meu sangue esquentou, mas por que ela não ficava na dela e evitava se colocar em tudo isso? Eu não tinha escolhas, eu precisava a assustar, ou pelo menos achei que ela se assustaria. Eu a deixei ir pela primeira vez. O que eu não sabia é que ainda a deixaria ir mais do que poderia.”

 Ele se levantou deixando o caderno ali do seu lado, e seguiu para o banheiro, olhou para o chuveiro e logo se colocou embaixo dele, sentindo a água quente. Ele teria que suportar todos os dias, ele teria que viver cada minuto. Ele teria que olhar para Isabella e lembrar de Lua. Estava tudo trazendo de volta ao passado que tanto o fazia sofrer. Ele saiu do banho e se jogou na cama. Ele dormiria o quanto fosse necessário para tudo passar mais rápido.


Continua...

11 comentários:

  1. Tanto drama ñ me faz bem, viick LuAr é vida Lua morta não... Continua porque eu amo essa web

    ResponderExcluir
  2. Continua, ainda não consigo acreditar que a Lua possa estar morta realmente

    (Fer)

    ResponderExcluir
  3. Continuaaaa ! A web está otima, a lua podia estar vida. Mas de qualquer forma contínua Ta muito boa mesmo !!!
    By: Alessandra

    ResponderExcluir
  4. Meeeeu deeus perfect cntinuuua

    ResponderExcluir
  5. Postaa mais to amando :)

    ResponderExcluir
  6. A melhor de todas ! Continuaaaa por favor.
    Posta mais. By: Ale

    ResponderExcluir

Comentem, gosto dos comentários!Sem xingamentos okay?